Agosto Branco – mês de Conscientização e Prevenção do Câncer de Pulmão

Agosto Branco – mês de Conscientização e Prevenção do Câncer de Pulmão

O câncer de pulmão é a principal causa de morte por câncer e o mais comum entre os tumores malignos, com exceção dos tumores de pele não-melanoma. Sendo 85% dos casos relacionados ao tabagismo. A poluição do ar e produtos químicos como arsênico, asbesto (amianto), berílio e outras substâncias são fatores de risco, além do histórico familiar de câncer. 

Segundo o INCA – Instituto Nacional de Câncer, em 2021, foram registradas mais de 30 mil mortes causadas pelo câncer de pulmão, sendo mais de 17 mil, homens, e mais de 12 mil,mulheres. 

Para o ‘Agosto Branco’, o blog da Clínica de Oncologia e Mastologia de Natal traz um bate-papo com a oncologista Dra. Danielli Matias (CRM-RN 4796/ RQE 1566) sobre câncer de pulmão.

Blog Clínica – Pessoas que nunca fumaram podem ter câncer de pulmão?

Dra. Danielli Matias – Sim. Existem pessoas com câncer de pulmão que nunca fumaram, mesmo sendo o tabagismo a principal causa. Mas é importante avaliar as alterações genéticas do paciente também. E o diagnóstico precoce pode auxiliar para um tratamento com melhores resultados.

B.C – E qual a melhor prevenção?

Dra. Danielli A melhor prevenção é parar de fumar. 85% dos casos estão relacionados ao tabagismo. Aos que têm dificuldade de largar o cigarro, existem tratamento para auxiliar esse processo, desde a psicoterapia, médicos especialistas a medicamentos que atuam para ajudar o paciente parar de fumar. 

B.C – Existe algum tipo de exame que detecte o câncer de pulmão? 

Dra. Danielli A tomografia de tórax de baixa dose. Esse exame auxilia no diagnóstico precoce. E tem indicações específicas, como: pacientes tabagistas, com histórico de tabagismo – geralmente acima dos 50 anos de idade, ou ex-tabagista. Então, esses pacientes podem realizar a tomografia do tórax, seguindo protocolos para detecção precoce. 

B.C – Como a pandemia da Covid-19 impactou nos casos de câncer de pulmão? 

Dra. Danielli – A pandemia da covid fez aumentar a realização da tomografia do tórax e, consequentemente, a incidência de diagnóstico de tumores em estágio inicial. Quando era realizado um exame de diagnóstico do covid, por exemplo, em algumas situações, o exame acabava por auxiliar na detecção de casos específicos de nódulos iniciais. 

B.C – E com o nódulo diagnosticado em fase inicial é possível o tratamento?

Dra. Danielli – Sim. Hoje em dia o tratamento contra o câncer de pulmão melhorou muito. Antigamente só tinha a quimioterapia e, hoje, temos também a terapia-alvo, que são medicações orais, com uma boa eficácia; e também a imunoterapia. Então, com o diagnóstico precoce, o cirurgião opera e o paciente pode realizar algum tratamento pós-cirúrgico, ficar sem a doença e manter o acompanhamento. Por isso, é tão importante a prevenção, envolvendo as condutas antitabagistas e o diagnóstico precoce, através de exames. 

B.C – E os sintomas? 

Dra. Danielli –  Geralmente os sintomas aparecem em casos mais avançados. Eu explico para os meus pacientes que o pulmão é como se fosse uma esponja, então, quando o nódulo inicia no pulmão, tende a ser indolor. Ele só vai causar dor, quando estiver maior, envolvendo a pleura – uma camada do pulmão – é quando o paciente sente a dor.  Sendo assim, os sintomas mais comuns são: dor torácica, tosse seca (principalmente os tabagistas) e perda de peso inexplicada.

 

Em caso de persistência dos sintomas, o paciente precisa buscar médico para exames prévios, principalmente se tratando de fumante direto e também dos tabagistas passivos.

A prevenção é o melhor caminho!